title

FormigaCast

Formiga Elétrica

0
Followers
0
Plays
FormigaCast
FormigaCast

FormigaCast

Formiga Elétrica

0
Followers
0
Plays
OVERVIEWEPISODESYOU MAY ALSO LIKE

Details

About Us

O FormigaCast é o podcast semanal do site Formiga Elétrica, dedicado ao universo da cultura pop geral! Cinema, quadrinhos, séries e muito mais, em um papo descontraído, mas com conteúdo!

Latest Episodes

Coringa | FormigaCast 106 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s O mundo do Cinema foi pego de surpresa neste ano de 2019, afinal, Coringa (Joker) não apenas ganhou o Leão de Ouro em Veneza, como também vem se mostrando um enorme sucesso comercial. Apesar de tudo isso, obviamente, o longa de Todd Philips tem gerado as mais diversas reações de críticos e do público em geral. Independente da acachapante e incontestável entrega de Joaquin Phoenix ao papel, talvez a maior atuação de sua vida, existe quem vê o longa como apologia à violência e comportamento antissocial. Se essa observação tem fundamento ou não, estamos aqui para discutir esse e demais tópicos. A verdade é que a trajetória do protagonista Arthur Fleck foi elaborada com grande esmero técnico. É um filme que não apenas homenageia o período conhecido como Nova Hollywood, mas o faz da melhor maneira possível. Com um personagem principal profundamente perturbado, Coringa é um deleite visual, excelente dos quesitos Fotografia e Direção de Arte. Um filme de orçamento baixo, quando comparado ao que domina a indústria hoje, mas não menos espetacular por isso. Aproveite nosso papo sobre esse filme inusitado. Falamos sobre atuação, parte técnica, premissa, impacto e muito mais. Também não deixamos de observar os detalhes que não nos agradaram, o que é muito importante e enriquece a discussão. Então, clique no play e descubra o que tínhamos pra falar sobre esse petardo cinematográfico. Tem algum detalhe ou qualquer outra coisa que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente e furiosa? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou deste programa e do formato geral dos nossos podcasts, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo emailpodcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

154 MIN15 h ago
Comments
Coringa | FormigaCast 106 - Formiga Elétrica

Rambo: A Franquia | FormigaCast 105 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Em 1982, estreava no Cinema um dos personagens mais icônicos dos filmes de ação.Rambo: Programado Para Matar (First Blood) apresentou um atormentado veterano do Vietnã, hostilizado pelo seu próprio país e provocado até o limite. Adaptando o livro de David Morrell, lançado uma década antes, o longa se permitiu uma liberdade sobre seu texto original, mantendo seu protagonista vivo ao final da narrativa, talvez até pela presença de um ator em popularidade ascendente, Sylvester Stallone. Não só abriam-se as portas para continuações, como também criava-se um ícone. Para o bem e para o mal. Com Rambo II: A Missão, de 1985, o personagem solidificou a imagem, deixando de lado o teor crítico do filme original. Tornou-se então o exército de um só homem, voltando ao Vietnã para vingar os EUA, fazendo sua vingança através da ficção descompromissada. Quatro anos depois, ainda aproveitando a Guerra Fria, Rambo IIIcolocou o protagonista contra os russos em pleno Afeganistão. E então ele entraria na geladeira, para sair somente em 2008. Com Rambo IV, Stallone resgatou o personagem, também como diretor, e explorou uma situação geopolítica complicada e contou uma história violenta. Na verdade, a violência parecia ser a razão de ser da produção, que salva-se somente pelo fator diversão, mas deu um encerramento minimamente digno. Chegando finalmente a Rambo: Até o Fim, o protagonista tem seu pior momento em uma história que não precisava mesmo existir. Confira aí nosso papo sobre essa trajetória. Tem algum detalhe ou qualquer outra coisa que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente e furiosa? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou deste programa e do formato geral dos nossos podcasts, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

126 MIN2 w ago
Comments
Rambo: A Franquia | FormigaCast 105 - Formiga Elétrica

Terror na Literatura | FormigaCast 104 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s A tradição do Terror na Literatura tem assunto demais, que não caberia em um único podcast. Porém, resolvemos encarar o desafio de conversar dentro deste território vasto e assustador. Não apenas falando dos primórdios deste gênero, explorando temores muito arraigados na psique humana, como também sobre os aspectos do inconsciente coletivo que foram moldando e modificando as histórias ao longo do tempo. Para isso, fizemos questão até de trazer para o barco Larissa Prado, escritora de suspense e Terror. E já que ela estava no grupo, nada melhor que dedicar o último bloco ao seu trabalho mais recente. O Balé das Aves Mortas, edição da editora Skript em financiamento coletivo no Catarse. Além de escritora, é claro que Larissa também é uma leitora voraz, portanto, conversamos sobre Ambrose Bierce, Edgar Allan Poe, Arthur Machen, Robert W. Chambers, Stephen King e muitos outros. Sem esquecer, é claro, da figura mais representativa do Horror Cósmico, H. P. Lovecraft. Foi um papo muito rico, pois não se limitou ao gosto de cada um. Também foi a oportunidade de conhecer as referências que moldaram o trabalho de Larissa, descobrindo como ela encara certas questões intrínsecas deste gênero tão fascinante e admirado quanto o Terror. Confira aí mais este episódio do FormigaCast. Tem algum detalhe, obra, escritor ou qualquer outra coisa que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente e furiosa? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou deste programa e do formato geral dos nossos podcasts, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

138 MINSEP 21
Comments
Terror na Literatura | FormigaCast 104 - Formiga Elétrica

A Desconstrução do Super-Herói | FormigaCast 103 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Desde que o Superman estourou para o mundo em 1938, trazendo consigo o conceito de Super-Herói, o arquétipo passou por inúmeras interpretações. Quase desaparecendo no pós-Guerra, ele voltou com força no meio da década de 1950, inaugurando a Era de Prata e reconhecendo nos anos seguintes uma verdade inconveniente. A faixa etária dos leitores crescia, logo, o teor das histórias em geral também sofria um tipo de amadurecimento. Se em meados de 1970 os Heróis não tinham como evitar tocar em problemas da vida real, cerca de dez anos depois eles seriam totalmente desconstruídos. Com Alan Moore reformulando Marvelman (Miracleman nos EUA), uma porta foi aberta, culminando com várias interpretações sombrias dessas figuras uniformizadas. Com Watchmen, Moore foi ainda mais fundo, gerando reações diversas sobre essa abordagem. Mas de onde essas ideias brotaram? É exatamente sobre isso que nos propusemos a conversar neste episódio do podcast. A desconstrução do Super-Herói, ao contrário do que muitos fãs podem imaginar, não foi invenção do roteirista britânico. Ela já vinha ensaiada até mesmo no humor escrachado da Mad em seus primeiros anos, além da própria Era de Ouro trazer alguns personagens que abordavam direta e sem nenhuma vergonha o próprio absurdo e ridículo, relativamente inerentes aos heróis uniformizados. Confira aí nosso papo animado e esclarecedor: Tem algum detalhe que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

145 MINSEP 7
Comments
A Desconstrução do Super-Herói | FormigaCast 103 - Formiga Elétrica

Era Uma Vez... Em Hollywood | FormigaCast 102 - FormigaElétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s O suposto penúltimo filme da carreira de Quentin Tarantino continua dando o que falar. Era Uma Vez... Em Hollywood tem tantas coisas a se notar e comentar que, além da crítica que publicamos na semana de estreia, também resolvemos trazer o assunto para este episódio do nosso podcast. Foi um papo com mais espaço para trocar ideias sobre as intenções, as referências e, principalmente, o amor do cineasta e roteirista pela Sétima Arte em si. Uma afeição que todos nós aqui compartilhamos. Segue um trecho da crítica do filme: O nono filme de Quentin Tarantino, roteirizado por ele, como sempre, se ocupa de um recorte específico da história do Cinema. No final do período clássico de Hollywood, Rick Dalton (Leonardo DiCaprio) é um ator de seriados televisivos de Western, já em franca decadência e buscando uma transição para a tela grande, o que significava respeitabilidade. Seu dublê fixo, Cliff Booth (Brad Pitt), além de seu amigo, é seu faz-tudo, o que cria uma dependência profissional que não parece incomodá-lo, já que existe uma história nunca provada sobre ele que dificulta conseguir trabalho. Neste universo, a dupla fictícia coexiste e interage com personagens da vida real, já que Dalton é vizinho de Roman Polanski e sua esposasex symbol, Sharon Tate (Margot Robbie), estrela em ascensão. A polêmica em torno deEra Uma Vez… Em Hollywoodjá começou com o anúncio de que o caso Tate faria parte do roteiro. Para quem não sabe, a atriz foi brutalmente assassinada aos 26 anos, grávida, pelo culto liderado por Charles Manson, em 09 de agosto de 1969. Tem algum detalhe odioso que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

106 MINAUG 23
Comments
Era Uma Vez... Em Hollywood | FormigaCast 102 - FormigaElétrica

O Que Eu Odeio Na Literatura - FormigaCast 101 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Algumas pessoas nos questionaram sobre essa série "O que eu odeio..." no FormigaCast. Primeiro, fizemos um programa cujo alvo eram os Quadrinhos. Aí a gente viu que a coisa rendia, já que temos amargura de sobra, e resolvemos voltar nosso olhar para o Cinema. Já havíamos sossegado, mas resolveram nos perguntar se haveria uma trilogia do ódio, pois poderíamos agora falar sobre... Literatura!!! Aí não teve jeito. Bateu a vontade de reclamar novamente e aqui estamos nós, voltando nosso olhar extremamente crítico para livros mal escritos ou picaretas, estratégias editoriais questionáveis e traduções capengas. Pois bem, neste episódio foram abordados vários aspectos desagradáveis do mundo editorial, inclusive as premiações, que só servem para turbinar as vendas. Falamos das novelizações de roteiro cinematográfico, da exploração desmedida de franquias de todo tipo, as trilogia literárias ou aquelas séries que se estendem bem mais do que isso, de alguns profissionais premiados de hoje em dia e muito mais. Parece que não, mas o tema é bem vasto na exploração e um detalhe acaba puxando outro. Confira nosso centésimo primeiro podcast e divirta-se com nossas queixas, que não foram poucas, infelizmente. Será que você é tão bonzinho que vai discordar de tudo que a gente falou aqui? Duvidamos, sinceramente, mas temos certeza que, independente da sua opinião, a diversão é garantida. Tem algum detalhe odioso do mundo das Letras que você mencionaria? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

104 MINAUG 9
Comments
O Que Eu Odeio Na Literatura - FormigaCast 101 - Formiga Elétrica

Melhores Momentos | FormigaCast 100 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Pois é... Quase quatro anos de atividade, começando com um programa semanal. Aí tivemos um hiato por conta da quantidade de trabalho que isso dava, sem ter a menor ideia de quando voltaríamos. Os vídeos seguiram semanais e o podcast alternou algumas pautas sem regularidade definida, até sair de circulação no fim de 2016. Menos de um ano depois, aproveitando a polêmica em torno do filme Mãe, retornamos com publicações quinzenais. E agora, o Formigacast atinge seu centésimo programa e a gente aproveita para festejar e comentar um pouquinho desta trajetória. Resolvemos escolher alguns momentos marcantes e divertidos no meio de tantas pautas e falatório que participamos até aqui, sempre procurando manter um nível bacana de conteúdo. Sem descuidar da diversão, é claro, por isso, não faltaram trechos hilários que selecionamos para vocês. Entre eles, houve reações inesperadas no programas Terceira Idade Mandando Bala, assim como várias curiosidades divertidas sobre o Homem-Aranha no cinema, antes de Sam Raimi, na pauta de Filmes de Super-Heróis Não Realizados. Não faltou também momentos que enriqueceram a cultura cinéfila de muita gente, como no caso de Cinema Clássico Japonês. E ainda teve muito mais entre as nossas escolhas dos melhores momentos do FormigaCast. Aproveitamos para destacar alguns programas que consideramos muito especiais por vários motivos, mas também trouxemos depoimentos de alguns dos nossos apoiadores da nossa campanha no Apoia.se. Confira esse programa mais do que especial. E aí, quer nos dizer qual é o seu momento, pauta ou programa preferidos? Deixe a gente saber o que você gostou mais nesta longa estrada que, esperamos, ainda vai muito mais longe. Escreva para podcast@formigaeletrica.com.br e solte o verbo. Queremos muito saber o que vocês acharam deste programa comemorativo e do nosso trabalho em geral. É isso! Ficamos por aqui e voltamos em quinze dias com as nossas pirações de sempre. Até lá...

145 MINJUL 26
Comments
Melhores Momentos | FormigaCast 100 - Formiga Elétrica

Super Heróis X Ciência | FormigaCast 99 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: https://bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: https://bit.ly/2KXJf8s Os roteiristas de Quadrinhos de super-heróis tiram sua inspiração de inúmeras fontes, mas é certo que a ciência sempre forneceu material farto para esses profissionais. Não importa o quanto eles viajaram, extrapolaram ou distorceram conceitos, mas aquele ar de “cientificamente possível”, não importa o quão vago isso seja, sempre deixa os personagens mais modernosos. Para os leigos, pelo menos, que são a esmagadora maioria do público. Um bom exemplo disso é a influência da Era Atômica nessa mídia. Mas o quão longe os super-heróis estão das leis da física que regem nosso universo real? Resolvemos trazer especialistas em Biologia, Física e Química para discutir esses conceitos. Alienígenas humanoides, campos de força, resistência extrema, mutações, raios cósmicos, acidentes radioativos que conferem superpoderes e apetrechos ultratecnológicos que dependem de muita energia. Tudo isso e muito mais em um papo que descontraído que falou do Superman, Aquaman, Homem-Formiga, Homem-Borracha, Hulk e Homem-Aranha, entre outros. Confira nosso papo, onde questionamos nossos amigos da ciência sobre os poderes destes personagens e suas origens. Uma conversa muito enriquecedora que vai destruir inúmeras fantasias de infância, mas vai esclarecer muitas dúvidas de algumas pessoas. Aproveite e tente não nos odiar, caso você tenha sonhado em adquirir super poderes em algum momento da sua vida. Tem algo a dizer sobre o que conversamos aqui? Quer nos matar? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

121 MINJUL 12
Comments
Super Heróis X Ciência | FormigaCast 99 - Formiga Elétrica

Piores Momentos Do Batman | FormigaCast 98 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw e FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd O ano de 2019 marca os oitenta anos do Batman, este ícone absoluto da Cultura Pop. Com tanto tempo de estrada, e tantas histórias produzidas em mais de uma mídia, natural que o personagem não tenha tido apenas aventuras bacanas. É por isso que a gente aqui resolveu andar na contra-mão das comemorações do aniversário do Homem-Morcego e dedicar este programa aos seus piores momentos. Ok, mas o que a gente pode entender por “piores momentos”? A partir do período pós-Segunda Guerra, que lançou os super-heróis em uma fase decadente e pouco inspirada, a figura do Batman já estava desgastada. Tirado do contexto de justiceiro urbano, ele foi infantilizado e privado das características que Bob Kane e Bill Finger conceberam. Eis aí onde encontramos os primeiros momentos contrangedores. A Era de Prata dos Quadrinhos não é uma fase memorável, a não ser para quem gosta de um burlesco exagerado. Daí para frente, a série com Adam West e Burt Ward ajudou a manter o personagem no imaginário popular, mas sedimentou uma imagem de ridículo que demoraria ainda duas décadas para mudar. Em outras mídias, Batman também sofria em crossovers com Scooby-Doo, Superamigos e mais uma animação co-protagonizada pelo duende de outra dimensão Bat-Mirim. Quem diria que, depois disso tudo, Joel Schumacher também faria sua contribuição com os famosos trajes com mamilos...? Confira aí os piores momentos do Batman, ou os que a gente conseguiu lembrar. Tem algo a dizer sobre o que conversamos aqui? Quer nos matar? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

145 MINJUN 28
Comments
Piores Momentos Do Batman | FormigaCast 98 - Formiga Elétrica

Aventureiros Do Cinema | FormigaCast 97 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw e FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd Não existe a menor dúvida que uma das figuras mais populares da história da Sétima Arte é a do aventureiro/explorador. O apelo dessas pessoas que se metem em selvas ou ambientes hostis ao redor do mundo, atrás de alguma grande descoberta, é enorme e já servia bem ao Cinema em seus primórdios, que buscou na literatura pulp muitas inspirações. O tempo passou e o planeta não tem mais os mesmo mistérios do início do século passado, mas a figura se consolidou no imaginário popular. Exatamente por isso, este episódio do podcast é dedicado a essas figuras marcantes que o Cinema mostrou. São personagens adaptados, criações originais e até pessoas reais que ganharam filmes sobre suas proezas. Do Allan Quatermain de Haggard, que já estava nas telas na década de 1930, até o estouro da fantasia de Indiana Jones e iniciativas mais poéticas como Z- A Cidade Perdida – sobre o Coronel Fawcett -, existem muitos outros exemplos a explorar... com o perdão do trocadilho. Confira esse papo que relembrou Michael Douglas em Tudo Por Uma Esmeralda, Richard Chamberlain na versão da Cannon de Allan Quatermain e as tentativas de suprir a lacuna deixada por Indiana Jones depois de A Última Cruzada. Divirta-se com nossa aventura dentro desta pauta interessante. Tem algo a dizer sobre o que conversamos aqui? Quer nos matar? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

102 MINJUN 14
Comments
Aventureiros Do Cinema | FormigaCast 97 - Formiga Elétrica

Latest Episodes

Coringa | FormigaCast 106 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s O mundo do Cinema foi pego de surpresa neste ano de 2019, afinal, Coringa (Joker) não apenas ganhou o Leão de Ouro em Veneza, como também vem se mostrando um enorme sucesso comercial. Apesar de tudo isso, obviamente, o longa de Todd Philips tem gerado as mais diversas reações de críticos e do público em geral. Independente da acachapante e incontestável entrega de Joaquin Phoenix ao papel, talvez a maior atuação de sua vida, existe quem vê o longa como apologia à violência e comportamento antissocial. Se essa observação tem fundamento ou não, estamos aqui para discutir esse e demais tópicos. A verdade é que a trajetória do protagonista Arthur Fleck foi elaborada com grande esmero técnico. É um filme que não apenas homenageia o período conhecido como Nova Hollywood, mas o faz da melhor maneira possível. Com um personagem principal profundamente perturbado, Coringa é um deleite visual, excelente dos quesitos Fotografia e Direção de Arte. Um filme de orçamento baixo, quando comparado ao que domina a indústria hoje, mas não menos espetacular por isso. Aproveite nosso papo sobre esse filme inusitado. Falamos sobre atuação, parte técnica, premissa, impacto e muito mais. Também não deixamos de observar os detalhes que não nos agradaram, o que é muito importante e enriquece a discussão. Então, clique no play e descubra o que tínhamos pra falar sobre esse petardo cinematográfico. Tem algum detalhe ou qualquer outra coisa que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente e furiosa? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou deste programa e do formato geral dos nossos podcasts, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo emailpodcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

154 MIN15 h ago
Comments
Coringa | FormigaCast 106 - Formiga Elétrica

Rambo: A Franquia | FormigaCast 105 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Em 1982, estreava no Cinema um dos personagens mais icônicos dos filmes de ação.Rambo: Programado Para Matar (First Blood) apresentou um atormentado veterano do Vietnã, hostilizado pelo seu próprio país e provocado até o limite. Adaptando o livro de David Morrell, lançado uma década antes, o longa se permitiu uma liberdade sobre seu texto original, mantendo seu protagonista vivo ao final da narrativa, talvez até pela presença de um ator em popularidade ascendente, Sylvester Stallone. Não só abriam-se as portas para continuações, como também criava-se um ícone. Para o bem e para o mal. Com Rambo II: A Missão, de 1985, o personagem solidificou a imagem, deixando de lado o teor crítico do filme original. Tornou-se então o exército de um só homem, voltando ao Vietnã para vingar os EUA, fazendo sua vingança através da ficção descompromissada. Quatro anos depois, ainda aproveitando a Guerra Fria, Rambo IIIcolocou o protagonista contra os russos em pleno Afeganistão. E então ele entraria na geladeira, para sair somente em 2008. Com Rambo IV, Stallone resgatou o personagem, também como diretor, e explorou uma situação geopolítica complicada e contou uma história violenta. Na verdade, a violência parecia ser a razão de ser da produção, que salva-se somente pelo fator diversão, mas deu um encerramento minimamente digno. Chegando finalmente a Rambo: Até o Fim, o protagonista tem seu pior momento em uma história que não precisava mesmo existir. Confira aí nosso papo sobre essa trajetória. Tem algum detalhe ou qualquer outra coisa que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente e furiosa? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou deste programa e do formato geral dos nossos podcasts, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

126 MIN2 w ago
Comments
Rambo: A Franquia | FormigaCast 105 - Formiga Elétrica

Terror na Literatura | FormigaCast 104 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s A tradição do Terror na Literatura tem assunto demais, que não caberia em um único podcast. Porém, resolvemos encarar o desafio de conversar dentro deste território vasto e assustador. Não apenas falando dos primórdios deste gênero, explorando temores muito arraigados na psique humana, como também sobre os aspectos do inconsciente coletivo que foram moldando e modificando as histórias ao longo do tempo. Para isso, fizemos questão até de trazer para o barco Larissa Prado, escritora de suspense e Terror. E já que ela estava no grupo, nada melhor que dedicar o último bloco ao seu trabalho mais recente. O Balé das Aves Mortas, edição da editora Skript em financiamento coletivo no Catarse. Além de escritora, é claro que Larissa também é uma leitora voraz, portanto, conversamos sobre Ambrose Bierce, Edgar Allan Poe, Arthur Machen, Robert W. Chambers, Stephen King e muitos outros. Sem esquecer, é claro, da figura mais representativa do Horror Cósmico, H. P. Lovecraft. Foi um papo muito rico, pois não se limitou ao gosto de cada um. Também foi a oportunidade de conhecer as referências que moldaram o trabalho de Larissa, descobrindo como ela encara certas questões intrínsecas deste gênero tão fascinante e admirado quanto o Terror. Confira aí mais este episódio do FormigaCast. Tem algum detalhe, obra, escritor ou qualquer outra coisa que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente e furiosa? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou deste programa e do formato geral dos nossos podcasts, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

138 MINSEP 21
Comments
Terror na Literatura | FormigaCast 104 - Formiga Elétrica

A Desconstrução do Super-Herói | FormigaCast 103 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Desde que o Superman estourou para o mundo em 1938, trazendo consigo o conceito de Super-Herói, o arquétipo passou por inúmeras interpretações. Quase desaparecendo no pós-Guerra, ele voltou com força no meio da década de 1950, inaugurando a Era de Prata e reconhecendo nos anos seguintes uma verdade inconveniente. A faixa etária dos leitores crescia, logo, o teor das histórias em geral também sofria um tipo de amadurecimento. Se em meados de 1970 os Heróis não tinham como evitar tocar em problemas da vida real, cerca de dez anos depois eles seriam totalmente desconstruídos. Com Alan Moore reformulando Marvelman (Miracleman nos EUA), uma porta foi aberta, culminando com várias interpretações sombrias dessas figuras uniformizadas. Com Watchmen, Moore foi ainda mais fundo, gerando reações diversas sobre essa abordagem. Mas de onde essas ideias brotaram? É exatamente sobre isso que nos propusemos a conversar neste episódio do podcast. A desconstrução do Super-Herói, ao contrário do que muitos fãs podem imaginar, não foi invenção do roteirista britânico. Ela já vinha ensaiada até mesmo no humor escrachado da Mad em seus primeiros anos, além da própria Era de Ouro trazer alguns personagens que abordavam direta e sem nenhuma vergonha o próprio absurdo e ridículo, relativamente inerentes aos heróis uniformizados. Confira aí nosso papo animado e esclarecedor: Tem algum detalhe que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Quer discordar de forma veemente? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

145 MINSEP 7
Comments
A Desconstrução do Super-Herói | FormigaCast 103 - Formiga Elétrica

Era Uma Vez... Em Hollywood | FormigaCast 102 - FormigaElétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s O suposto penúltimo filme da carreira de Quentin Tarantino continua dando o que falar. Era Uma Vez... Em Hollywood tem tantas coisas a se notar e comentar que, além da crítica que publicamos na semana de estreia, também resolvemos trazer o assunto para este episódio do nosso podcast. Foi um papo com mais espaço para trocar ideias sobre as intenções, as referências e, principalmente, o amor do cineasta e roteirista pela Sétima Arte em si. Uma afeição que todos nós aqui compartilhamos. Segue um trecho da crítica do filme: O nono filme de Quentin Tarantino, roteirizado por ele, como sempre, se ocupa de um recorte específico da história do Cinema. No final do período clássico de Hollywood, Rick Dalton (Leonardo DiCaprio) é um ator de seriados televisivos de Western, já em franca decadência e buscando uma transição para a tela grande, o que significava respeitabilidade. Seu dublê fixo, Cliff Booth (Brad Pitt), além de seu amigo, é seu faz-tudo, o que cria uma dependência profissional que não parece incomodá-lo, já que existe uma história nunca provada sobre ele que dificulta conseguir trabalho. Neste universo, a dupla fictícia coexiste e interage com personagens da vida real, já que Dalton é vizinho de Roman Polanski e sua esposasex symbol, Sharon Tate (Margot Robbie), estrela em ascensão. A polêmica em torno deEra Uma Vez… Em Hollywoodjá começou com o anúncio de que o caso Tate faria parte do roteiro. Para quem não sabe, a atriz foi brutalmente assassinada aos 26 anos, grávida, pelo culto liderado por Charles Manson, em 09 de agosto de 1969. Tem algum detalhe odioso que você mencionaria e esquecemos? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

106 MINAUG 23
Comments
Era Uma Vez... Em Hollywood | FormigaCast 102 - FormigaElétrica

O Que Eu Odeio Na Literatura - FormigaCast 101 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Algumas pessoas nos questionaram sobre essa série "O que eu odeio..." no FormigaCast. Primeiro, fizemos um programa cujo alvo eram os Quadrinhos. Aí a gente viu que a coisa rendia, já que temos amargura de sobra, e resolvemos voltar nosso olhar para o Cinema. Já havíamos sossegado, mas resolveram nos perguntar se haveria uma trilogia do ódio, pois poderíamos agora falar sobre... Literatura!!! Aí não teve jeito. Bateu a vontade de reclamar novamente e aqui estamos nós, voltando nosso olhar extremamente crítico para livros mal escritos ou picaretas, estratégias editoriais questionáveis e traduções capengas. Pois bem, neste episódio foram abordados vários aspectos desagradáveis do mundo editorial, inclusive as premiações, que só servem para turbinar as vendas. Falamos das novelizações de roteiro cinematográfico, da exploração desmedida de franquias de todo tipo, as trilogia literárias ou aquelas séries que se estendem bem mais do que isso, de alguns profissionais premiados de hoje em dia e muito mais. Parece que não, mas o tema é bem vasto na exploração e um detalhe acaba puxando outro. Confira nosso centésimo primeiro podcast e divirta-se com nossas queixas, que não foram poucas, infelizmente. Será que você é tão bonzinho que vai discordar de tudo que a gente falou aqui? Duvidamos, sinceramente, mas temos certeza que, independente da sua opinião, a diversão é garantida. Tem algum detalhe odioso do mundo das Letras que você mencionaria? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

104 MINAUG 9
Comments
O Que Eu Odeio Na Literatura - FormigaCast 101 - Formiga Elétrica

Melhores Momentos | FormigaCast 100 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: bit.ly/2KXJf8s Pois é... Quase quatro anos de atividade, começando com um programa semanal. Aí tivemos um hiato por conta da quantidade de trabalho que isso dava, sem ter a menor ideia de quando voltaríamos. Os vídeos seguiram semanais e o podcast alternou algumas pautas sem regularidade definida, até sair de circulação no fim de 2016. Menos de um ano depois, aproveitando a polêmica em torno do filme Mãe, retornamos com publicações quinzenais. E agora, o Formigacast atinge seu centésimo programa e a gente aproveita para festejar e comentar um pouquinho desta trajetória. Resolvemos escolher alguns momentos marcantes e divertidos no meio de tantas pautas e falatório que participamos até aqui, sempre procurando manter um nível bacana de conteúdo. Sem descuidar da diversão, é claro, por isso, não faltaram trechos hilários que selecionamos para vocês. Entre eles, houve reações inesperadas no programas Terceira Idade Mandando Bala, assim como várias curiosidades divertidas sobre o Homem-Aranha no cinema, antes de Sam Raimi, na pauta de Filmes de Super-Heróis Não Realizados. Não faltou também momentos que enriqueceram a cultura cinéfila de muita gente, como no caso de Cinema Clássico Japonês. E ainda teve muito mais entre as nossas escolhas dos melhores momentos do FormigaCast. Aproveitamos para destacar alguns programas que consideramos muito especiais por vários motivos, mas também trouxemos depoimentos de alguns dos nossos apoiadores da nossa campanha no Apoia.se. Confira esse programa mais do que especial. E aí, quer nos dizer qual é o seu momento, pauta ou programa preferidos? Deixe a gente saber o que você gostou mais nesta longa estrada que, esperamos, ainda vai muito mais longe. Escreva para podcast@formigaeletrica.com.br e solte o verbo. Queremos muito saber o que vocês acharam deste programa comemorativo e do nosso trabalho em geral. É isso! Ficamos por aqui e voltamos em quinze dias com as nossas pirações de sempre. Até lá...

145 MINJUL 26
Comments
Melhores Momentos | FormigaCast 100 - Formiga Elétrica

Super Heróis X Ciência | FormigaCast 99 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw / FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd TWITTER: https://bit.ly/2Jxx9Ba INSTAGRAM: https://bit.ly/2KXJf8s Os roteiristas de Quadrinhos de super-heróis tiram sua inspiração de inúmeras fontes, mas é certo que a ciência sempre forneceu material farto para esses profissionais. Não importa o quanto eles viajaram, extrapolaram ou distorceram conceitos, mas aquele ar de “cientificamente possível”, não importa o quão vago isso seja, sempre deixa os personagens mais modernosos. Para os leigos, pelo menos, que são a esmagadora maioria do público. Um bom exemplo disso é a influência da Era Atômica nessa mídia. Mas o quão longe os super-heróis estão das leis da física que regem nosso universo real? Resolvemos trazer especialistas em Biologia, Física e Química para discutir esses conceitos. Alienígenas humanoides, campos de força, resistência extrema, mutações, raios cósmicos, acidentes radioativos que conferem superpoderes e apetrechos ultratecnológicos que dependem de muita energia. Tudo isso e muito mais em um papo que descontraído que falou do Superman, Aquaman, Homem-Formiga, Homem-Borracha, Hulk e Homem-Aranha, entre outros. Confira nosso papo, onde questionamos nossos amigos da ciência sobre os poderes destes personagens e suas origens. Uma conversa muito enriquecedora que vai destruir inúmeras fantasias de infância, mas vai esclarecer muitas dúvidas de algumas pessoas. Aproveite e tente não nos odiar, caso você tenha sonhado em adquirir super poderes em algum momento da sua vida. Tem algo a dizer sobre o que conversamos aqui? Quer nos matar? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

121 MINJUL 12
Comments
Super Heróis X Ciência | FormigaCast 99 - Formiga Elétrica

Piores Momentos Do Batman | FormigaCast 98 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw e FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd O ano de 2019 marca os oitenta anos do Batman, este ícone absoluto da Cultura Pop. Com tanto tempo de estrada, e tantas histórias produzidas em mais de uma mídia, natural que o personagem não tenha tido apenas aventuras bacanas. É por isso que a gente aqui resolveu andar na contra-mão das comemorações do aniversário do Homem-Morcego e dedicar este programa aos seus piores momentos. Ok, mas o que a gente pode entender por “piores momentos”? A partir do período pós-Segunda Guerra, que lançou os super-heróis em uma fase decadente e pouco inspirada, a figura do Batman já estava desgastada. Tirado do contexto de justiceiro urbano, ele foi infantilizado e privado das características que Bob Kane e Bill Finger conceberam. Eis aí onde encontramos os primeiros momentos contrangedores. A Era de Prata dos Quadrinhos não é uma fase memorável, a não ser para quem gosta de um burlesco exagerado. Daí para frente, a série com Adam West e Burt Ward ajudou a manter o personagem no imaginário popular, mas sedimentou uma imagem de ridículo que demoraria ainda duas décadas para mudar. Em outras mídias, Batman também sofria em crossovers com Scooby-Doo, Superamigos e mais uma animação co-protagonizada pelo duende de outra dimensão Bat-Mirim. Quem diria que, depois disso tudo, Joel Schumacher também faria sua contribuição com os famosos trajes com mamilos...? Confira aí os piores momentos do Batman, ou os que a gente conseguiu lembrar. Tem algo a dizer sobre o que conversamos aqui? Quer nos matar? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

145 MINJUN 28
Comments
Piores Momentos Do Batman | FormigaCast 98 - Formiga Elétrica

Aventureiros Do Cinema | FormigaCast 97 - Formiga Elétrica

Acesse a página e contribua com a nossa campanha no APOIA.se: apoia.se/formigaeletrica Acesse nosso SITE: goo.gl/hDQkSw e FACEBOOK: goo.gl/3mGhfd Não existe a menor dúvida que uma das figuras mais populares da história da Sétima Arte é a do aventureiro/explorador. O apelo dessas pessoas que se metem em selvas ou ambientes hostis ao redor do mundo, atrás de alguma grande descoberta, é enorme e já servia bem ao Cinema em seus primórdios, que buscou na literatura pulp muitas inspirações. O tempo passou e o planeta não tem mais os mesmo mistérios do início do século passado, mas a figura se consolidou no imaginário popular. Exatamente por isso, este episódio do podcast é dedicado a essas figuras marcantes que o Cinema mostrou. São personagens adaptados, criações originais e até pessoas reais que ganharam filmes sobre suas proezas. Do Allan Quatermain de Haggard, que já estava nas telas na década de 1930, até o estouro da fantasia de Indiana Jones e iniciativas mais poéticas como Z- A Cidade Perdida – sobre o Coronel Fawcett -, existem muitos outros exemplos a explorar... com o perdão do trocadilho. Confira esse papo que relembrou Michael Douglas em Tudo Por Uma Esmeralda, Richard Chamberlain na versão da Cannon de Allan Quatermain e as tentativas de suprir a lacuna deixada por Indiana Jones depois de A Última Cruzada. Divirta-se com nossa aventura dentro desta pauta interessante. Tem algo a dizer sobre o que conversamos aqui? Quer nos matar? Alguma coisa fundamental ficou de fora? Fique à vontade para nos dizer. Conte para nós o que achou, pois queremos muito saber. Mande sua opinião sobre esse episódio ou mesmo uma sugestão de tema para os próximos programas aí nos comentários ou pelo email podcast@formigaeletrica.com.br. Voltamos com mais uma conversa legal em quinze dias. Não perca e até lá!

102 MINJUN 14
Comments
Aventureiros Do Cinema | FormigaCast 97 - Formiga Elétrica